segunda-feira, 25 de abril de 2016

Análise de trecho da entrevista da Joelma ao "Fantástico". Mistura de mentiras e verdades. Exageros





No final de 2015, meses após a separação, Joelma fala pela primeira vez ao programa "Fantástico" sobre o ocorrido.
O que faz dessa análise algo interessante é o fato da cantora misturar verdade e mentira em um mesmo discurso.
Alguns sinais comprovam que ela realmente foi agredida pelo ex marido, porém há um desejo de vingança por parte dela em relação a tal separação

A análise se refere apenas a alguns pontos interessantes, para estudo, da entrevista


Vamos à análise:

0:07 a 0:11 – “Não foram uma traição. Foram várias traições”. Nesse momento ele executa um gesto de cabeça com inclinações rápidas de um lado para outro. Esse gesto significa incerteza. 

0:13– “Eu perdoei muitas vezes”. Ela faz um movimento ocular para cima e direita. Esse movimento está associado a criação de imagens. Ela não perdoou de fato. Apenas criou em sua mente a hipótese de ter perdoado.






0:14 – Note as mãos. Gesto conhecido como "pistola". Demonstra agressividade ao falar do ex-marido.
Seus olhos se voltam para baixo e direita, significando um desejo de isolamento, de entrar em contato consigo mesma.





0:19 a 0:29 – Gesto de enumeração com a cabeça. Cada enumeração das vezes em que perdoou é marcada com uma inclinação diferente de cabeça. Isso chama-se, posições perceptuais.
Nesse contexto, houve uma espécie de "verdade técnica", ou seja, a cada enumeração ela diz o que as mulheres comumente fazem, que é perdoar. Não necessariamente ela fez o mesmo, mas é o que geralmente acontece na sociedade.
Ela pegou uma situação corriqueira e adaptou à sua realidade.

0:31 – Micro expressão de medo e desejo de afastar do ocorrido. Há também uma tristeza nos olhos.
Essa combinação de emoções demonstra que ela sabe quem não tem mais jeito de manter seu casamento. Não há mais futuro para esse relacionamento.




0:33 – “Quando isso começou a afetar os MEUS filhos, né?”. A entonação para se referir aos filhos demonstra uma possessividade em relação a eles.
A expressão "né?" no fim da frase, é um recurso usado para certificar que a outra pessoa está acreditando no que está sendo contado. Em alguns casos pode ser usado para certificar uma mentira ou um exagero na narração

0:35 - Ao falar do filho em meio à briga, ela demontra vergonha através do seu movimento ocular para baixo.
Quando alguém demonstra vergonha ao narrar um fato desse tipo, estará associado a verdade, porém muitas vezes junto com essa verdade há momentos criados, exagerados




0:38 e 0:39 (mistura 1) - Nesse momento, o gesto é bem sutil e deve ser observado com muito cuidado.
No instante em que ela fala "quando meu filho teve que se meter ENTRE EU E ELE pra ele não me bater", reparem na movimentação do braço direito da cantora
Quando ela sinalisa "entre eu e ele", o momento do "eu" é para fora (o que, congruentemente deveria se referir a "ele") e no momento do "ele", o gesto é para dentro, o que, congruentemente, deveria se referir ao "ele"). Essa troca de posição na enumeração, com as mãos é considerado uma incongruência e está relacionado há uma possível mentira.
O movimento sendo feito lateralmente demonstra uma dissociação ao fato

0:40 - Sinaliza sim com a cabeça. Confirma que realmente sofreu agressão (verdade). Devido a análise acima, demonstra que o filho não se meteu a frente dos dois (mentira).
Micro expressão de raiva

0:42 - Ao afirmar "Aí eu disse: chegou o ponto final", Joelma realiza um gesto com as mãos chamado de "pinçamento" (junta-se a ponta do dedo indicador com a ponta do dedo polegar). Indica que ela está detalhando algo, sendo exata. Junto com esse gesto ela nega com a cabeça
Pondemos concluir que ela realmente decidiu que essa agressão seria o ponto final, porém ela nega o fato do filho ter entrado na frente dos dois enquanto ela estava sendo agredida.

0:47 - “Ele já tinha me agredido antes”. Fala a verdade. Afirma com a cabeça e com as palavras. Há congruência.
Porém há um balanço na cadeira de um lado para outro, indicando ansiedade

0:50 - Antes mesmo da reporter terminar sua pergunta ("Como foi isso?), Joelma já estava respondendo. Isso demontra uma resposta ensaiada.
Existe um tempo mínimo relativo para que o cérebro processe a pergunta antes de responder. Quando esse tempo não é respeitado, existe uma fortíssima probabilidade de que a resposta é ensaiada.
O fato de ter apanhado não é ensaiado, mas sim os argumentos que ela vai usar

0:52- Novamente seu movimento ocular demontra vergonha (verdade)








0:54 a 0:58 - "Eu tive que passar três dias tranca num quarto de um..... hotel até meu rosto voltar ao normal, entendeu?"
No espaçamento citado, note o aumento das piscadelas (aumento do processo cognitivo). É uma forma do cérebro criar alguma fala. Ele está em processamento neste momento.
Logo após o aumento das piscadas, há um movimento ocular para cima e esquerda. De acordo com a doutrina de PNL, o direcionamento ocular nesse sentido está relacionado à memoria. A pessoa está relembrando algo. Nesse caso, portanto, é diferente. As piscadas aceleradas juntamente com a hesitação demonstra que esse movimento ocular está ligado a uma lembrança criada. Ela está lembrando de algo ensaiado, portanto, está a buscar em sua memória algo mais convincente, algo que tenha criado antes
No momento em que ela fala "...até meu rosto voltar ao normal, entendeu?", é feito um gesto congruente com as mãos ao mesmo tempo que sinaliza "sim" com a cabeça. O gesto com as mãos e o gesto de "sim" com a cabeça, apesar de serem congruentes, são feitos de forma mecânica (em uma intensidade diferente da intensidade vocal). Isso indica que há uma verdade, porém também há uma manipulação, um exagero. O "entendeu?" no fim da frase certifica essa manipulação. Uma pergunta interrogativa em meio a uma afirmação é um desejo inconsciente de que a outra pessoa acredite no que está sendo dito

0:59 a 1:02 - Joelma responde a pergunta da entrevistadora: "Ciúmes, entendeu?"
Exibe uma expressão facial de falta de paciência. O "endentdeu?" no final é tido como uma manipulação
A combinação desses dois elementos, podem ser interpretados como um desejo de vingança pelo que seu ex-marido fez a ela



1:03 a 1:13 - "E depois de 3 anos ele tentou me jogar no segundo andar de uma casa aqui de Recife, aonde a banda estava... alojada"
No começo da sentença, ela tem um aumento repentino das piscadelas. Mais uma vez o cérebro aumento sua atividade, seu processo cognitivo
No momento em que ela fala que quase foi jogada do segundo andar, há uma inclinação de cabeça para a esquerda. Essa inclinação é racional e está ligada a dissociação







Nesse momento olha para cima e esquerda ao citar a casa daonde foi quase jogada.
O movimento ocular para esse sentido está ligado a criação mental de imagens, situações.
Quando os olhos se movem nesse sentido, o cérebro está a criar e não a lembrar





Em 1:13 Quando ela cita que a banda estava alojada, ela realiza um movimento ocular relacionado a vergonha e um gesto de "sim" com a cabeça, porém há também uma pausa desnecessária em seu argumento e um aumento do número de piscadas
A combinação desses 2 gestos ligados a verdade ("sim" com a cabeça e vergonha) e dos 2 gestos de possível mentira (pausa desnecessária e aumento das piscadas) indica uma mistura entre verdade e mentira. Provavelmente, a banda em algum momento presenciou a briga dos dois, mas a situação foi criada

1:17 - Quando Joelma responde que não denunciou antes devido a vergonha, ela é completamente sincera.
O sorriso dado por ela é congruente à emoção de vergonha. Quando estamos presenciando essa emoção é normal sorrirmos como uma forma do organismo liberar essa emoção




1:22 - Expressão de nojo ao falar que não gosta de se sentir exposta desta forma. Congruência
Ela realmente não denunciou pela família e sente muita vergonha e nojo pelo que sofreu








Apesar de haver alguns momentos de exagero no discurso, Joelma realmente foi agredida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.