sexta-feira, 17 de maio de 2019

Análise não-verbal: Ciro Gomes falando sobre declaração polêmica. Houve edição?

Em 2002, o até então candidato a Presidência da República, Ciro Gomes, fez uma declaração pública polêmica ao se referir a sua esposa na época, a atriz, Patrícia Pilar.
Durante uma entrevista em São Paulo, quando questionado por um jornalista, qual o papel de Patrícia Pilar no dia-a-dia da campanha, o político Ciro Gomes deu uma resposta, vista pela imprensa, como constrangedora. Ciro Gomes disse que um dos papéis mais importantes da atriz, em sua campanha, é dormir com ele. Logo depois ele reformulou a resposta dizendo que era brincadeira.
Recentemente, em um programa para o Youtube, o político foi perguntado novamente sobre esse evento.
O que sua linguagem corporal tem a nos dizer tantos anos depois?

Vamos à análise:

A partir de 0:15, enquanto o apresentador Marcelo Tas está formulando a pergunta à respeito dessa declaração, a câmera corta para Ciro Gomes. Nesse momento podemos ver um aumento significativo no número de piscadas indicando ansiedade. Quando estamos experimentando esse estado, o número de piscadas aumenta consideravelmente devido ao maior envio, para o corpo, de hormônios ligados ao estresse, como por exemplo, o cortisol.
Se observarmos bem, existe também micro espasmos na região naso-labial (área marcada na foto acima). Esses micro movimentos podem, também, estar ligados ao estresse que o assunto gera no político

A partir de 0:22, ainda enquanto a pergunta está sendo formulada, há um plano de câmera aberto aonde podemos ver Ciro Gomes realizando um gesto pacificador.
Gestos pacificadores são aqueles cuja a função é de nos acalmarmos diante de um momento de nervosismo, estresse e até ansiedade. São gestos que consistem em auto-toques ou toques em objetos. Esses auto-toques são coceiras, leves passadas de mão na pele, etc.
Nesse momento, podemos ver Ciro Gomes esfregando os dedos indicador e polegar.
Podemos dizer que aqui ele está sob tensão e deseja se acalmar.

Em 0:33 enquanto Marcelo Tas elogia a atriz Patrícia Pilar dizendo que ela não aceitaria ter ouvido isso, podemos ver Ciro Gomes emitindo três gestos interessantes, em sequência.
Primeiramente ele emite um sorriso de desprezo, devido a leve contração no bucinador. Nesse contexto, podemos ver que, somado a esse desprezo, há também uma satisfação em toda a sua face. Quando vemos desprezo com satisfação, estamos diante do chamado "Duping Delight", que segundo Paul Ekman, é um sorriso emitido quando percebemos que o interlocutor se convenceu do que nós falamos e/ou que a nossa manipulação foi bem sucedida. Esse sorriso vem juntamente com o gesto de fechar os olhos, que nesse contexto, pode ser visto como um intensificador emocional (foto 1)
Logo depois, Ciro realiza o gesto de projetar a língua para fora, umedecendo os lábios, chamado de "Tongue Jut". Segundo Joe Navarro esse gesto indica dentre outras coisas auto-incriminação. Ao realizarmos esse gesto, é como se o corpo estivesse falando, dentre outras coisas: "Eu escapei ileso do que eu fiz" (foto 2)
Existe uma forte probabilidade de que Ciro Gomes se sinta satisfeito por entender que, de certa forma, Marcelo Tas está do lado dele e por isso tem a sensação de que vai sair ileso das perguntas e/ou dos julgamentos, etc. ("Ele está do meu lado, não vou sofrer nenhuma represália, ou terei que me justificar muito")

A partir de 0:43, Marcelo Tas pergunta: "O que esse episódio te ensinou?"
Em 0:46, antes de Ciro responder, ele realiza um gesto de projetar os lábios para frente, formando uma espécie de bico exagerado. Esse gesto é um indicativo de falsa consideração. Esse gesto é feito somente por indivíduos contextualmente dominantes. Ele quer transmitir a ideia de que levou o episódio em consideração, mas isso não aconteceu.
Juntamente ele direciona seu olhar para baixo e esquerda. O direcionamento ocular para esse sentido indica o acesso ao diálogo interno. Ele está avaliando o que falar.

Logo em seguida, em 0:46, Ciro responde: "Veja. Me ensinou muita coisa. Muita coisa mesmo..."
Esse trecho, apesar de ser pequeno, contém importantes sinais verbais, paralinguísticos e não-verbais.
Em relação ao âmbito verbal, podemos notar que Ciro inicia a sua resposta com a palavra "Veja". De acordo ensinamentos de Statement Analysis, palavras como "veja", "olhe bem", "veja bem", entre outras, indicam uma forma de ganhar tempo para a resposta. Quando uma resposta é direta não necessita dessa intenção de ganhar tempo. Uma resposta direta consiste em "sim" ou "não" e o complemento. O uso de palavras para ganhar tempo, tiram a naturalidade estrutural que uma resposta deve ter. 
Além disso há também o uso de palavras desnecessárias. Quando Ciro diz que "ensinou muita coisa", o complemento dito por ele ("muita coisa mesmo") é desnecessário, pois essa informação já foi passada . Essa repetição com palavras desnecessárias tem a intenção de convencer.
Paralinguagem é o estudo da voz (timbre, volume, intensidade, velocidade). Podemos notar, nesse aspecto, que Ciro Gomes começa a sua resposta com a voz mais aguda, o que é diferente de seu habitual. Essa alteração na voz, principalmente deixando ela mais aguda, indica ansiedade e nervosismo ao tratar do tema.
Em relação ao aspecto não-verbal podemos notar um desconforto com o corpo e uma rápida negação com a cabeça ao dizer que "ensinou muita coisa". Há nervosismo e incongruência
Há desonestidade em relação a esse trecho.

A partir de 0:52, Ciro diz: "O ambiente onde eu vivo não é um ambiente honesto, é um ambiente desonesto"
Esse trecho é rico em sinais verbais e não-verbais. Vamos nos atentar primeiramente ao sinais verbais.
A priori, é importante falar que o nosso cérebro não reconhece palavras de negação. Elas são excluídas. Por exemplo, se pedirmos para alguém NÃO imaginar um elefante cor de rosa, automaticamente o sujeito vai imaginar o elefante cor de rosa. Com base nisso, podemos concluir que falar "não é um ambiente honesto" é diferente de falar "é um ambiente desonesto". O "não" muda toda a forma como o cérebro vê essa imagem criada.
No começo da primeira parte da declaração ("o ambiente onde eu vivo..."), ele olha para cima e direita. De acordo com estudos da PNL, o movimento ocular para esse sentido, pode estar associado a criação de imagens. (foto acima)
Ao falar "ambiente desonesto", Ciro nega com a cabeça. Havendo uma incongruência entre a afirmativa verbal e a negação corporal
Podemos concluir que Ciro, ao dizer que o ambiente NÃO é honesto, sua mente automaticamente excluir a negação e ele começa a criar uma imagem de um ambiente honesto - essa criação é congruente com o movimento ocular. Quando diz que o ambiente é honesto ele nega com a cabeça confirmando que ele não acha que o ambiente é desonesto.

Em 0:59, Ciro diz: "Eu fui editado", se referindo ao que ele falou àquela época
Ao dizer isso, podemos ver uma gesto de cabeça, rápido, de um lado para outro, seguido de um afastamento.
Esse primeiro gesto de cabeça é muito semelhante a uma negação, porém o fato dele ser feito nessa velocidade e curto, indica um outro significado. Esse gesto é chamado de "Head Wiggle", e indica um estado alfa de assertividade e confiança.
O afastamento de cabeça para trás, adicionado ao gesto, indica incredulidade, duvida no que está dizendo
Juntamente, podemos ver um sorriso com um misto de desprezo e satisfação. Novamente há a presença do "Duping Delight" (foto acima), indicando satisfação por terem acreditado na sua manipulação
Há um gesto tido como positivo ("Head Wiggle") e dois gestos negativos (afastamento com a cabeça e o "Duping Delight").
Podemos concluir que ele sabe que não houve edição, mas a sua segurança e assertividade vêm do fato dele ter conseguido, na época, manipular e reverter esse depoimento prejudicial para sua imagem, dizendo que tudo foi brincadeira e ter tecido elogios a favor de Patrícia Pilar. A satisfação também vem do fato dele ter conseguido reverter a situação

Em 1:01, Ciro diz: "Foi uma grande bobagem"
Novamente vemos incongruência entre o verbal e o não-verbal. Ele afirma com as palavras mas nega com a cabeça. Há desonestidade



A partir de 1:09 - 1:10, Ciro Gomes diz:"... na verdade, eu vim de uma sequência, em que eles programaram uma mesma pergunta, e eu sempre respondia: ela é tudo pra mim... é uma inteligência privilegiada, é minha parceira, é minha companheira, é meu amor, etc..."
De acordo com estudos de Statement Analysis, a expressão "na verdade" indica uma palavra desnecessária. Quando essa expressão aparece no discurso, existe uma comparação interna. O que ele tá falando não é o que ele tá pensando. Isso significa que existe desonestidade, ou omissão, no discurso. 
Ao dizer que veio de uma sequência de perguntas programadas, podemos notar um gesto ilustrador. Ciro movimenta seu braço de sua esquerda para a sua direita, exatamente ao verbalizar a palavra "sequência", indicando progressão de tempo. Como se o corpo verbalizasse "ao longo do tempo...".
Além disso, podemos notar que existe uma piscada desregular - somado a um aceno de cabeça - ao dizer a palavra "seQUÊNcia". Piscada desregular acontece quando o intervalo ente as piscadas é muito curto.
Existe uma leve pausa entre "programaram" e a palavra anterior. Essa pausa sutil significa uma forma para ganhar tempo e pensar na palavra a ser usada. Ainda durante essa palavra, ele realiza um gesto ilustrador chamado de "Hand Chop". Esse gesto é feito ligeiramente fora de ritmo (a voz e os gestos estão fora de sincronia rítmica - o gesto está mais rápido do que a voz)
Notamos também a emoção de desprezo devido a contração do músculo do bucinador, no lado esquerdo (foto acima).
Apesar de haver uma probabilidade de, ao longo dos anos, jornalistas perguntarem sobre sua ex-esposa, Patrícia Pilar, podemos concluir desse trecho que Ciro Gomes é desonesto ao usar esse fato como justificativa; e ele não veio dessa sequência de perguntas programadas.

Em 1:23, podemos ver a elevação unilateral de seu ombro esquerdo. Esse gesto chamado de "Shoulder Shrug" indica em um primeiro momento, falta de comprometimento emocional, e em um segundo momento mostra que existe uma disparidade entre o que ele está falando e o que realmente aconteceu. 
Ele realiza esse gesto ao afirmar que o comentário, de que o papel mais importante de Patrícia Pilar é dormir com ele, foi feito logo após ele ter elogiado ela.
Há desonestidade. 
Esse comentário foi feito antes do elogio, e tal elogio foi usado para criar um álibi.


SUMÁRIO: Esse assunto polêmico ainda provoca ansiedade e nervosismo em Ciro Gomes.
Ele sabe que não houve edição no que falou, mas acredita que o fato dele ter elogiado ela e dito que tudo era brincadeira, de alguma forma dá confiança a ele, funcionando como um álibi.
Realmente, durante essa época vários jornalistas faziam perguntas parecidas a respeito de sua esposa Patrícia Pilar, mas ao contrário do que o político diz, esse evento não foi o responsável pelo comentário polêmico.
Ele não racionaliza o ambiente político como desonesto.

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Análise não-verbal: O goleiro Sidão recebendo o troféu de "craque do jogo". Humilhado?

A partida entre Santos e Vasco da Gama que ocorreu no domingo dia 12/05 foi marcada por um acontecimento atípico.
A Rede Globo criou o "Craque do Jogo" que é uma premiação dada pela emissora ao melhor jogador da partida, através de votação dos internautas. Nessa partida o vencedor desse prêmio foi o goleiro do Vasco, Sidão, que atravessa uma má fase com falhas em jogos importantes, inclusive neste último. Apesar do goleiro ter reconhecido suas falhas, foi o premiado com o troféu de "craque do jogo".
Esse evento foi tido, pelos demais torcedores e pela imprensa, como uma humilhação ao jogador.
O que será que a Linguagem Corporal do goleiro nos diz?

Vamos à análise

No começo do vídeo, podemos ver um gesto de passar a língua nos dentes. Esse gesto indica nervosismo e tensão. Aqui há um alto nível de ansiedade

Logo depois, em 0:05, podemos a retração dos lábios de Sidão.
De acordo com autores como Pierre Weil, esse gesto indica "Mutismo". Significa uma forma subconsciente de suprimir o crescimento interno de uma emoção negativa, bem como evitar uma manifestação externa dessa emoção.
Podemos notar também que existe a contração do músculo do corrugador, responsável pelo abaixamento das sobrancelhas; e o levantamento da parte interior das sobrancelhas. Essas duas ações musculares são responsáveis pela formação de rugas horizontais no centro da testa. Essas rugas são chamadas  de "Rugas do Pesar" e indicam emoções negativas como tristeza, pesar.
Podemos concluir que Sidão está triste com o resultado do jogo, mas deseja suprimir parcial ou totalmente essa emoção

Em 0:07, a pós a repórter pedir para o Sidão falar sobre a atuação do time no jogo, ele abaixa a cabeça.
Esse movimento de cabeça, nesse contexto, é um indicativo de vergonha. Quando essa emoção está presente, tendemos a abaixar a cabeça em um gesto de submissão e fuga, pois o contato ocular é anulado
Juntamente, podemos ver que, mais uma vez, existe a formação de rugas horizontais no centro da testa, indicando pesar, tristeza.

Em 0:13, existe pressão nos lábios e uma leve retração. Mais uma vez vemos o gesto de "Mutismo", representando o desejo de querer se conter.
Juntamente podemos ver os olhos fechados. Esse gesto chamado de "Eye Shielding" indica desejo de não visualização. James Borg chama de Ação de Desligamento. Exprime um desejo de se desligar daquela cena, daquele evento.
Sidão nesse momento não quer falar sobre o ocorrido

Ainda referente ao trecho acima, antes de começar a responder à repórter, podemos ver uma elevação dos dois ombros. Esse gesto é chamado "Turtle Effect". Consiste em elevar os ombros para se proteger de uma situação que provoca um estímulo negativo. Esse gesto tem esse nome porque se assemelha ao gesto de uma tartaruga que entra no casco diante de uma situação ameaçadora.

A partir de 0:14, Sidão responde: "Acho que até o primeiro gol ali, num erro individual meu, o time tava bem..."
Ao dizer "erro individual meu" ele faz um gesto de passar a língua no lábio inferior. Esse gesto, primeiramente, indica uma alta carga de ansiedade e nervosismo. Quando ficamos nervosos e tensos, há o ressecamento dos lábios, por isso precisamos umidificá-los, daí o gesto.
Joe Navarro vai mais além. Segundo suas pesquisas como agente do FBI, esse gesto também pode indicar auto-incriminação (como se o corpo estivesse dizendo: "eu fiz besteira", "eu errei")
Podemos ver, nesse trecho um outro movimento interessante - o movimento ocular.
Se vocês repararem, o goleiro movimenta seus olhos de um lado para outro de forma contínua. Esse movimento ocorre com bastante frequência entre os jogadores de futebol. Indica rota de fuga. Desejo de não estar ali, de fugir. Representa a procura de uma rota de fuga para sair dessa situação.

A partir de 0:35, a repórter diz: "Sidão, vou, vou, ter que te entregar aqui o troféu de "Craque do Jogo" que foi uma votação feita por torcedores; é uma votação que é feita apenas por torcedores, ééé... na internet. É um jogo que foi complicado pra você, uma partida bastante difícil, mas... ééé... fica aqui esse troféu pra você, Sidão"
Esse trecho tem vários pontos verbais e não-verbais interessantes de serem analisados. Vamos começar com os pontos verbais
A repórter começa dizer que "vai ter que" entregar o troféu para Sidão. Essa expressão ("vou ter que...") indica uma obrigação. Aqui é mostrado que a repórter não deseja entregar o troféu, mas tem a obrigação de fazê-lo.
Outro momento à respeito do discurso acontece quando ela fala "votação feita apenas por torcedores". O uso da palavra "apenas" dá uma intenção de excluir qualquer responsabilidade dela e/ou dos colegas da emissora. Somente os torcedores votaram, e mais ninguém.
Os agregadores verbais (ééé...) indicam um processo cognitivo de pensar no que dizer. Isso se dá pelo desconforto que a repórter está sentindo na hora.

No âmbito não-verbal, quando a repórter fala que vai ter que entregar o troféu, o goleiro Sidão, imediatamente abaixa a cabeça sinalizando vergonha, e logo depois começa a manipular sua garrafa de água. Esse segundo gesto indica nervosismo e tensão, sendo portanto, um gesto pacificador.

Ainda referente ao trecho acima, em 0:46, o goleiro, de cabeça baixa, realiza um gesto chamado "Nose Pinch". Esse gesto de pinçar o nariz (foto acima) é um forte indicador de ansiedade. Nesse momento, o goleiro está em um estado de baixa assertividade e confiança, e deseja se recuperar disso. A cabeça baixa indica vergonha.
Sidão está em um momento de intensa vergonha, e deseja se recuperar desse momento, se tornando mais assertivo e confiante

Em 0:51, ao receber o troféu das mãos da repórter, podemos notar na face de Sidão a emoção de desprezo devido a contração do bucinador e a emoção de raiva pela tensão apresentada na região da mandíbula. De acordo com observações, essa composição de emoções pode ocorrer em situações em que o agente se sente ultrajado, insultado.


SUMÁRIO: Podemos concluir que o goleiro Sidão realmente se sente culpado, apresenta vergonha, e outras emoções negativas, diante do resultado negativo do jogo. Seu desejo é de não externar o que sente e se tranquilizar diante desse evento negativo.
Ao receber o troféu, ele exibe emoções de nojo e raiva que podem indicar um sentimento de insulto, ultraje.

terça-feira, 7 de maio de 2019

Análise não-verbal: Ana Maria Braga falando sobre sua suposta demissão da Rede Globo. Veracidade?

Recentemente, a apresentadora da Rede Globo, Ana Maria Braga, veio por intermédio de seu programa esclarecer sobre sua suposta demissão da emissora.
Foi divulgada na internet uma notícia falando que a apresentadora das manhãs teria sido demitida da emissora após divergências com sua produção. Segundo a notícia, Ana Maria Braga teria, supostamente, lançado um produto para emagrecer e queria que esse produto fosse anunciado em seu programa. Após a recusa da produção, a apresentadora teria pedido demissão
Será que Ana Maria Braga realmente foi - ou será - demitida da emissora carioca? E mais; será que a apresentadora tem alguma relação com produto para emagrecer?

Vamos à análise:

Em 0:12, Ana Maria Braga exibe uma expressão de aversão devido a elevação unilateral do lábio superior.
Essa emoção tem como fato gerador a notícia de que ela teria sido demitida da Rede Globo.

A partir de 0:14, a apresentadora diz: "Eu tenho amigos meus ligando, perguntando se eu vou sair da Globo"
Ao dizer que ela ter amigos ligando, a apresentadora aumenta o número das piscadas. Esse gesto indica nervosismo, tensão, e em alguns contextos, ansiedade. Algo, no fato de amigos ligarem para ela, a deixa nervosa.
Pode significar também desonestidade quanto às ligações, porém precisaríamos de mais detalhes para termos essa confirmação.
Ao verbalizar "da Globo", notamos uma risada suprimida. Essa risada pode ter vários significados, dentre eles nervosismo e descrença. A descrença, mais especificamente, pode estar relacionada com o fato das pessoas, em geral, acharem que ela realmente iria sair da emissora ("É inacreditável acharem isso")

A partir de 0:30 - 0:31, Ana Maria Braga diz: "Eu não estou saindo da Globo, né?"
Ao verbalizar essa frase, a apresentadora realiza um gesto de cabeça chamado de "Head Wiggle". O conceito desse movimento foi trazido pelo especialista em linguagem corporal Jack Brown e consiste em movimentos rápidos, com a cabeça, de um lado para outro. Esse sinal não-verbal indica assertividade, alta confiança em suas palavras e/ou ideias. O "Head Wiggle" pode vir conjugado com um movimento de cabeça para frente ou para trás. Se for para frente, indica repreensão; se o movimento for para trás, é adicionado ao significado incredulidade e rejeição.
No caso, da Ana Maria Braga, podemos ver esse "Head Wiggle" com um movimento adicional para frente. Podemos chegar a conclusão que a apresentadora tem um alto grau de confiança de que não vai sair da emissora.
Ainda nesse trecho, existe um outro sinal interessante, mas dessa vez é verbal. O uso do agregador "né?" no final da frase. De acordo com estudos de Análise do Discurso, o uso dessa expressão, nesse contexto, indica dúvida.
Podemos concluir que a apresentadora realmente acredita e tem convicção de não vai sair da emissora, mas ela tem dúvidas de como será o seu futuro na Rede Globo.
Outro elemento que confirma essa dúvida, é a escolha da estrutura verbal "eu não ESTOU SAINDO" e não o futuro do presente ("eu não SAIREI"). Essa escolha pode nos confirmar que ela sabe que no momento ela não está saindo da emissora, mas ela é omissa quanto ao futuro.

A partir de 0:35, Ana Maria Braga diz: "Não tenho previsão nenhuma, nem de aposentadoria"
Nesse momento ela está sendo sincera. Ela nega verbalmente ao mesmo tempo que faz um sinal negativo com a cabeça. Há congruência.
Nesse trecho ela também mostra as mãos. Esse gesto é clássico de sinceridade. (foto acima)

A partir de 0:53, Ana Maria diz: "porque primeiro a gente tem que se divertir"
Nesse momento ela aponta para si mesma com as pontas dos dedos.
Os gestos de auto-referência apesar de pouco explorados pelos estudos de comunicação não-verbal, tem um papel importante nas análises. Quando nos referimos a nós mesmos, pela forma como a mãos ou as mãos tocam no peito, podemos dizer se tal momento do discurso é emocional ou racional. Se tocamos inteiramente com as palmas das mãos, o discurso é sentido, emocional; se tocamos com parte das palmas das mãos ou com os dedos apenas, o discurso é racional.
Aqui podemos ver, que ao dizer que primeiramente Ana Maria Braga tem que se divertir, ela realiza esse gesto de auto-referência com a ponta dos dedos, nos indicando um discurso racional, sem ter qualquer cunho emocional.
Tendo em vista que ela está falando de diversão (âmbito emocional), podemos concluir que há desonestidade

Em 1:04, ao se referir aos espectadores, ela realiza um gesto de apontar com a palma da mão pra cima. Esse gesto indica abertura, generosidade, importância com os interlocutores. É o gesto ideal para criar conexão.
Aqui podemos dizer que Ana Maria Braga adota uma linguagem corporal excelente e congruente com a intenção que deseja transmitir

A partir de 1:10, Ana Maria diz: "Temos muuuiito trabalho pela frente"
O prolongamento do advérbio "muito" indica racionalidade e desejo de convencimento. Ela prolonga essa palavra para convencer o público da quantidade de trabalho que ainda será feita. Esse recurso verbal é muito utilizado por oradores para dar ideia de intensidade.

A partir de 1:28, a apresentadora diz: "Eu não tomo comprimido para emagrecer"
Aqui vemos dois sinais importantes. Um não-verbal e um verbal
Antes de haver o corte de imagem, podemos notar que a apresentadora faz um movimento assimétrico com o braço esquerdo. Tendo em vista que o corpo se movimenta simetricamente em um contexto de honestidade, pois há um equilíbrio entre o verbal e o não-verbal, movimentos corporais assimétricos atípicos são forte indicadores de desonestidade.
Ainda nesse trecho, ao dizer "comprimido para emagrecer" ela quebra o padrão verbal, mantido durante todo o vídeo ao acelerar sua fala.. Quebra de padrão é um forte indicativo de desonestidade.


SUMÁRIO: A apresentadora Ana Maria Braga está confiante ao dizer que não está saindo da Rede Globo, porém há indícios de dúvida em relação ao tempo em que ficará.
Ao se referir a seus espectadores, Ana Maria Braga tem uma linguagem corporal muito correta e congruente com a intenção que quer passar. Ela sabe criar conexão com seu público.
Existe indícios de desonestidade ao dizer que não toma comprimidos para emagrecer.

sábado, 27 de abril de 2019

Análise não-verbal: Entrevista de Lula na prisão. Dominância

Recentemente o ex-Presidente Lula concedeu a primeira entrevista na cadeia desde que foi preso. Com autorização judicial, a entrevista foi realizada pelos jornais Folha de São Paulo e El País. Ela aconteceu em uma sala preparada pela Polícia Federal na própria sede do Órgão, em Curitiba; e foi autorizada, mediante revisão, pelo Presidente do STF, Dias Toffoli.
Após mais de um ano preso, o que será que sua Linguagem Corporal tem a nos dizer?

Vamos à análise:

Podemos observar em 0:12 que Lula chega para a entrevista emitindo uma emoção de felicidade devido a contração dos músculos do zigomático maior e os orbiculares dos olhos.

A partir de 0:42, a repórter do jornal Folha de São Paulo dirige uma pergunta a Lula: "A gente queria saber o que passou pela cabeça do senhor quando o senhor tava... sendo preso, sendo conduzido... para a prisão?"
Lula começa respondendo: "eu tomei como decisão que meu lugar é aqui". Nesse momento ele se inclina para a frente porém nega com a cabeça. Gesto incongruente. Enquanto o verbal afirma, o não-verbal nega

A partir de 0:54, Lula continua: "Eu tenho tanta obsessão de desmascarar o Moro. Desmascarar o Dallagnol e sua turma. E desmascarar aqueles que me condenaram... sabe?..."
Lula começa esse trecho fazendo um gesto mãos fechadas em forma de socos. Esse gesto é considerado alfa (maior dominância, assertividade e até agressividade); ele nos indica intenção de resistência, luta.

Ainda referente ao trecho acima, quando Lula fala da sua obsessão em desmascarar o atual Ministro da Justiça e o Procurador Daltan Dallagnol, podemos notar um sutil desalinhamento corporal. O tronco de Lula aponta para uma direção diferente da cabeça.
Por ser um comportamento corporal atípico, podemos dizer que existe algum fator de desonestidade nessa fala.

Em 1:03 - 1:04, Lula diz: "... que eu ficarei preso cem anos"
Nesse momento podemos notar um avanço corporal juntamente com uma negação de cabeça. Há, portanto, incongruência. Enquanto o ex-Presidente afirma com as palavras, ele nega com a cabeça

Em 1:14, Lula diz: "Por isso, eu vim pra cá com muita tranquilidade"
Aqui podemos notar três sinais interessantes. Lula gesticula com as palmas das mãos para baixo. Esse gesto ilustrador (ilustram a fala) é considerado alfa, pois indica dominância, autoridade, e em alguns casos, até agressividade. Juntamente com o gesto, Lula nega com a cabeça, mostrando uma incongruência entre o que fala (afirmação) e com o que expressa não-verbalmente (negação). Além disso, podemos notar um desnível em seu ombro direito, que está mais elevado que o esquerdo, o que indica um desequilíbrio emocional e insegurança em suas palavras.
Podemos concluir desse trecho que há desonestidade em relação a tranquilidade sentida pelo ex-Presidente

Em 1:35 - 1:36, a jornalista da Folha de São Paulo, pergunta: "O senhor já pensou que o senhor pode ficar aqui para sempre?"
Lula responde: "Não tem problema", e nesse momento ele se afasta com o corpo. Esse movimento indica distanciamento do que está falando. Nesse contexto há desonestidade. Existe uma preocupação do ex-presidente em continuar preso

A partir de 1:39, Lula diz: "Eu tenho certeza... que eu durmo todo dia...com a minha consciência tranquila; que eu tenho certeza que o Dallagnol não dorme; tenho certeza que o Moro não dorme."
De acordo com estudos de Análise do Discurso, existem palavras e frases que são verbalizadas apenas para convencer do que está sendo dito. Elas são consideradas desnecessárias em um discurso. Ou seja, a presença ou ausência delas não altera o sentido do discurso, mas a sua presença é usada para reforçar uma ideia afim de tornar seu discurso mais crível. De acordo com Mark McClish, a pessoa que tenta convencer tende a acrescentar o maior número de elementos verbais sob a conclusão de que isso vai tornar o seu argumento mais convincente.
Lula, começa dizendo "Eu tenho certeza que eu durmo todo dia com a consciência tranquila". A expressão "eu tenho certeza" é desnecessária. O fato dele verbalizar que dorme todo dia com a consciência tranquila, já pressupõe que ele tem certeza disso. O uso do elemento desnecessário "eu tenho certeza" em um discurso com uma certeza implícita mostra sua tentativa de convencimento.
Nesse trecho há também um elemento não-verbal importante. Ao dizer "tranquila" (referindo-se a sua consciência), Lula eleva assimetricamente o ombro direito além da gesticulação (foto acima). Esse gesto chamado de "Shoulder Shrug" indica insegurança em suas palavras (Joe Navarro).

A partir de 1:53, Lula diz: "Você pensa que eu não gostaria de estar em casa?"
Aqui o ex-presidente realiza um gesto de espalmar a mão em seu peito. Esse gesto tem um alto valor emocional se feito de forma correta e em perfeita sincronia.
Quando nos referimos a nós mesmos em um contexto de envolvimento emocional, tendemos a espalmar as mãos no peito para demonstrar esse envolvimento. Basta lembrar que ao tocar o hino, realizamos esse gesto para mostrarmos que estamos emocionalmente inserido naquele contexto.
Quando Lula fala que gostaria de estar em casa ele realiza esse gesto de mão espalmada, o que a princípio estaria congruente com o contexto, porém, aqui ele é realizado fora de sincronia.
Como o gesto tem uma intenção de se auto-referenciar, ele deve ser realizado no momento em que o indivíduo verbaliza a palavra "eu". Se o gesto ocorrer depois desse momento, podemos concluir que ele está sendo feito de forma mecânica, ou seja, pensado antes de ser realizado. E em relação a isso, a comunicação não-verbal tem uma regra: os gestos devem ser feitos durante ou antes da verbalização; se realizado depois, a intenção é de convencer.

A partir de 2:04, Lula diz: "... eu quero sair daqui com a cabeça erguida, como eu entrei"
Aqui vemos dois gestos ilustradores seguidos. 
Gesto de apontar para cima ao dizer "eu quero sair daqui". Esse gesto é considerado alfa e indica que o que está sendo dito é importante e merece atenção (foto 1)
O próximo gesto é chamado de "Pinçamento". Esse gesto indica desejo de transmitir uma ideia. A tensão do gesto indica uma dominância excessiva. Especialistas como Jack Brown, dizem que esse gesto, quando realizado com tensão funciona como um comportamento de compensação. O indivíduo está experienciando ansiedade, e o gesto o faz compensar essa ansiedade sendo mais agressivo e assertivo (foto 2)

A partir de 2:30, após um jornalista citar a morte do neto na pergunta, em 2:37, Lula reage à esse acontecimento.
Nesse momento, vemos alguns conjuntos de sinais interessantes.
Lula abaixa a cabeça, tampa os olhos com os dedos, logo depois notamos uma leve tremedeira em suas mãos e na área da mandíbula.
Os movimentos de abaixar a cabeça e tampar os olhos tem ligação com um distanciamento do fato. O desejo de não visualizar o que aconteceu. Jack Brown, afirma que esse conjunto gestual está ligado a processamento emocional relacionado ao fato
As tremedeiras acontecem pela alta carga emocional que o fato traz. É uma reação do Sistema Nervoso à liberação de hormônios ligados ao estresse e ansiedade. Essa reação também pode ser vista, dependendo do contexto, como um vazamento emocional. O agente está sob forte emoção mas deseja suprimi-la. O corpo quer externar, mas o agente controla para que isso não aconteça.
Pelo que podemos observar na foto acima, existe o abaixamento do canto dos lábios, contração essa ligada a emoção de tristeza

A partir de 2:43, Lula volta dizendo: "Eu as vezes penso que... seria tão mais fácil... que eu tivesse morrido..."
Notamos alterações em sua voz. A voz fica trêmula pela carga de emoção negativa.
Podemos notar também uma contração no músculo do corrugador (responsável pelo abaixamento das sobrancelhas), levantamento da parte interna das sobrancelhas, queda do canto dos lábios e uma leve elevação no queixo pela ação do músculo mentalis. Essas ações musculares estão presentes na emoção de tristeza
Ao dizer que "seria tão mais fácil", Lula eleva os dois ombros. Esse gesto simboliza descrença no que está falando
Lula realmente exibe tristeza ao falar da morte do neto, mas não acredita que seria mais fácil que ele tivesse morrido no lugar do neto.

A partir de 2:56, Lula diz: "Mas não é... não são apenas esses momentos que deixam a gente triste"
Primeiramente vemos um ato falho. Ele inicia usando o singular "não é", se referindo a um momento, e depois o consciente interrompe dizendo que "não são apenas esses momentos"
É interessante observar que esse trecho vem logo depois da tristeza sentida com a morte do neto.
Ao dizer "apenas" se referindo a tristeza da morte do neto, ele tira toda a importância do fato, no sentido emocional. Adicionado a isso, Lula coloca outros eventos no mesmo patamar de representação negativa que a morte do neto teve.

Logo a pós esse trecho, até o final do vídeo, podemos notar que Lula volta ao seu discurso racional, se desfazendo da carga emocional.
Sua intenção aqui é deixar de lado o emocional e manter o racional, a dominância. Não quer deixar que eventos emocionais atrapalhem seu objetivo
Um exemplo dessa sua intenção acontece em 3:16 - 3:17 quando ele dá um soco na mesa (foto acima) Esse gesto é completamente dominante e agressivo; e aconteceu logo depois dele falar da morte do neto.


SUMÁRIO: Lula apresenta desonestidade quando fala que estava tranquilo ao ser preso e que permaneceria preso por mais tempo. Há desonestidade também ao falar que tem sua consciência tranquila
Notamos dominância e agressividade ao falar de Sérgio Moro e do Procurador Daltan Dallagnol.
Existe tristeza ao falar da morte do neto, mas também uma intenção de suprimi-la. Aqui Lula não quer dar importância a esse fato negativo. Sua intenção é se manter como líder e dominante. Ele percebe sua função de líder e dominante acima de qualquer acontecimento negativo pessoal.

terça-feira, 16 de abril de 2019

Análise não-verbal: Maria do Rosário falando sobre a condenação de Danilo Gentili.

Recentemente o humorista Danilo Gentili foi condenado à seis meses de prisão por injúria contra a Deputada Maria do Rosário, em ação movida em 2016.
Após essa condenação a Deputada gravou um vídeo aonde fala sobre a condenação do humorista. O que Maria dos Rosário está comunicando de forma não-verbal?

Vamos à análise:

A partir de 0:04, a Deputada diz: "... recebi a notícia de que Danilo Gentili foi condenado em ação que nós movemos contra ele em 2016, pela juíza, a Doutora Maria Isabel do Prado da 5ª Vara Criminal de São Paulo... no crime de injúria"
Durante esse trecho a Deputada exibe algumas expressões de felicidade devido a ação do músculo caninus promovendo a elevação do ângulo da boca e o consequente inflamento nas bochechas.

No final do trecho acima, Maria do Rosário exibe mais uma vez uma expressão de felicidade, mas dessa vez há pressão nos seus lábios.
De acordo com os ensinamentos de Paul Ekman, quando sorrimos mas temos os lábios pressionados, podemos concluir que há o chamado "sorriso suprimido ou refreado". Esse tipo de sorriso é emitido quando o agente sente uma emoção/sensação positiva, mas deseja mostrar que tal emoção/sensação é mais fraca do que realmente está sentindo. Um exemplo clássico é quando estamos na escola e um colega cai no chão. Nosso desejo é de rir, mas temos que suprimir essa sensação para que não percebam sua intensidade real.
Esse sorriso também pode estar ligado ao chamado "Schadenfreude". Essa palavra é de origem alemã e significa a alegria ou satisfação perante o infortúnio ou o dano causado a um terceiro.

A partir de 0:42, a Deputada diz: "Eu até acredito que... a sentença é uma convocação à sociedade brasileira para o bom senso; para que as pessoas usem as redes sociais com respeito, para que ninguém destrate o outro, para que ninguém... utilize de pseudos... brincadeiras, quando na verdade o seu objetivo é apenas o da humilhação"
A preposição "até", de acordo com Statement Analysis, é chamada de palavra adicional. É um elemento desnecessário na oração cuja sua ausência não afeta o sentido. O uso de palavras desnecessárias indicam uma tentativa de convencimento.
Devemos nos atentar também para a utilização da palavra "pseudos". Seria interessante averiguarmos o significado dessa palavra no dicionário interno da Deputada. Se ao se referir a "pseudos brincadeiras", ela estiver querendo dizer brincadeiras falsas, com a intenção de causar degradação, vexame, estamos diante de mais uma tentativa de convencimento. Isso porque o uso da expressão "na verdade" indica oposição e usar "pseudo brincadeiras" (dependendo de seu dicionário interno) e logo depois usar a palavra "humilhação" não mostra oposição de significados e sim convergência. Caso ela Tenha usado duas palavras com o mesmo significado, estando ligadas pela expressão "na verdade", o seu discurso se trona extremamente racional, havendo também a descrença no que está falando. Há o desejo de convencimento.
No campo não-verbal, ao dizer a palavra "pseudos" ela eleva sutilmente o ombro esquerdo, de forma unilateral. Esse movimento indica falta de comprometimento e evasividade (foto acima).

A partir de 1:12, a Deputada diz: "Cabe ao judiciário definir qual é a proporção dos termos da condenação"
Ao dizer "proporção", Maria do Rosário adota uma postura de arrogância pela elevação da sua cabeça em um ângulo maior que noventa graus, contração unilateral na extremidade da boca e olhos semi-fechados.

A partir de 1:18, Maria do Rosário diz: "Eu acredito que... aquilo que... cada um ou cada uma realiza tem contra-partidas de realizada"
O trecho a cima se refere a uma sentença declarativa ("Eu acredito que..."). Esse tipo de sentença tem como objetivo transmitir uma informação. Declara os fatos ou uma opinião, deixando que o interlocutor saiba de alguma ideia ou informação específica. Aqui, Maria do Rosário deseja transmitir suas crenças.
Por estar transmitindo o que acredita, é comum que essa informação seja passada, não-verbalmente, da forma mais congruente, direta e dominante possível.
No caso da Maria do Rosário, ao dizer que ela acredita, sua Linguagem Corporal é de incerteza e até submissão, pois ela declara sua crença ao mesmo tempo em que fecha os olhos ("Eye Shielding"), como não querendo ver o que está dizendo.

A partir de 1:30, a Deputada diz: "Acredito que toda a pessoa tem direito à defesa, mas quando entramos judicialmente em um caso como este, nos buscamos, pelo menos, a reparação... mínima."
Mais uma vez se trata de uma sentença declarativa, e novamente ao dizer "toda pessoa" ela fecha seus olhos como uma não-visualização do que acabou de dizer.
Curiosamente, nessa declaração, ela omite o pronome pessoal "eu" ("eu acredito..."). De acordo com Mark McClish, a omissão do pronome pessoal, é um indício de distanciamento do que está falando.
A Deputada usa a preposição "mas". Ainda de acordo com Mark McClish, o uso dessa preposição exclui a completamente a importância da oração que a precede. Isso significa dizer que para a Deputada, não é importante que toda a pessoa tenha direito à defesa. Essa oração é completamente racional.

A partir de 1:56, Maria do Rosário diz: "Tudo isso vai fazendo parte de um ambiente político tóxico, que tem diminuído nossa capacidade de refletir sobre o que é certo e o que é errado"
Ao dizer a palavra "errado" sua voz se torna trêmula. De acordo com estudos da Paralinguagem, a voz trêmula indica nervosismo e ansiedade. Isso acontece porque, ao estarmos nesses estados, existe a contração do músculo da garganta, afetando a vocalização. Devemos nos perguntar, porque a Deputada está nervosa ao falar do que é errado.

A partir de 2:07 - 2:08, Maria do Rosário diz: "Eu lamento um dia ter acontecido esse vídeo... quando eu só queria dialogar com esse senhor... mas eu prezo a decisão judicial"
Aqui percebemos alguns elementos de incongruência.
Após dizer "eu lamento", podemos perceber que ela esboça um sorriso. Esse sorriso, de acordo com o psicólogo Paul Ekman indica o chamado "Dumping Delight" (sorriso do manipulador) e acontece quando o a gente sente satisfação quando percebe que sua manipulação ou desonestidade está surtindo efeito (foto acima)
Durante a verbalização de "um dia ter acontecido esse vídeo" seus movimentos são descoordenados. Estão em ritmo diferente da fala. Há desonestidade.
Os movimentos corporais devem ser realizados durante a fala e congruente com as pontuações verbais. Quando tais movimentos ocorrem depois da fala e não coordenados com as pontuações verbais, podemos dizer que não há sincronia, e de acordo com a doutrina da comunicação não-verbal, quando não há sincronia, existe um altíssimo coeficiente de desonestidade.
Novamente há o uso do "mas", excluindo toda a importância da oração que precede.

Ao dizer "com esse senhor", ela se refere ao comediante Danilo Gentili. Durante esse momento, ela exibe um sorriso de desprezo pela contração unilateral do canto dos lábios, juntamente com os olhos fechados, o que nesse caso funciona como um potencializador da emoção de desprezo.
Tratar o comediante como "esse senhor" mostra um desejo de se distanciar mentalmente, fisicamente, dele

A partir de 2:29, Maria do Rosário diz: "Cabe avaliar... aquele que proferiu a injúria... se vale a pena agir dessa forma... diante... dos resultados que acarreta agora. E diante... dos resultados, que sem dúvida... em termos de humilhação e de... ataque, também me conferiu e conferiu ao meu entorno..."
Nesse trecho existem muitas pausas desnecessárias. Esse recurso é usado pelo cérebro para ganhar tempo na resposta, buscando as melhores palavras para serem usadas. Isso mostra um discurso completamente racional.
Ao tratar o comediante Danilo Gentili como "aquele que proferiu a injúria" ela cria um distanciamento
Entre as palavras "dúvida" e "em termos de humilhação" existe uma pausa maior juntamente com o direcionamento ocular para cima esquerda. Calibrando os movimentos oculares de Maria do Rosário, por meio de outros vídeos, é possível perceber que toda vez que ela movimenta os olhos para essa direção, ela está buscando as palavras para dizer, criando.

Ainda no trecho acima, ao dizer "... também me conferiu..." se referindo a humilhação, ela realiza um gesto incongruente e racional
Quando estamos nos referindo a um episódio emocional, devemos realizar gestos emocionais. Um desses gestos é a mão espalmada no peito. Quando nos referimos a nós mesmos em um contexto emocional, tendemos a espalmar a mão no peito.
Levando em consideração que o discurso, nesse momento é emocional ("A humilhação foi direcionada a mim"), o gesto realizado deveria ser a mão espalmada completamente no peito.
Aqui, a Deputada não faz o gesto, como mostrado na foto acima. Demonstrando que seu discurso é completamente racional


A partir de 3:07, Maria do Rosário diz: "Não comemoro quando alguém ééé... ééé tem uma sentença... desse tipo..."
Aqui, a Deputada faz uso de agregadores verbais (ééé) e pausas desnecessárias. Ambos os recursos são utilizados pelo cérebro para ganhar tempo e pensar no que falar. Trata-se portanto de um discurso racional.
Juntamente, podemos ver um desvio de olhar da Deputada. Nesse caso, tal desvio está ligado a não acreditar no que diz, e portanto não quer que vejam essa descrença.
Se observarmos seus ombros, nesse momento, vamos ver que ela está mexendo em alguma coisa que está na mesa. Esse gesto é chamado de "bengala emocional". Devido a falta de confiança em suas palavras, ela se sente ansiosa e nervosa, e para que se acalmar ela realiza um gesto pacificador
Como já dito em outros artigos desse blog, os gestos pacificadores tem a função de fazer nos acalmarmos diante de momentos de ansiedade e nervosismo. Geralmente eles são realizados no nosso próprio corpo, quando nos tocamos, coçamos durante momentos de estresse. Essa pacificação pode ser realizada também em objeto, tendo o mesmo objetivo.



SUMÁRIO: A Deputada Maria do Rosário, durante todo o vídeo faz um discurso completamente racional. Podemos afirmar que existe uma alta probabilidade dela não ter se sentido emocionalmente afetada com a ação do comediante.
Há felicidade com a condenação de Danilo Gentili. Aqui temos o "Schadenfreude", que é a felicidade sentida pelo dano sofrido por alguém.
Existem momentos de arrogância relacionados à condenação.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Análise não-verbal: Pastor Felipe Heiderich declarado inocente. Discurso

Em 2016 o Pastor Felipe Heiderich foi denunciado por sua ex-esposa Bianca Toledo por ter, supostamente, abusado sexualmente de seu filho; à época com 5 anos. Felipe foi preso e posto em liberdade até a conclusão do caso. Segundo o processo, Felipe também foi internado em um manicômio.
Recentemente o juiz julgou improcedente sua condenação e o absorveu, livrando de todas as acusações.
O Pastor veio à público comemorar sua inocência.
O que sua linguagem corporal e seu discurso podem nos dizer?

Vamos à análise:

Até os 4 segundos de vídeo, podemos notar que existe um pouco de ar em sua voz e um tom artificial.
Esses elementos indicam que sua fala não é natural, e que provavelmente foi ensaiada. Essas características da fala são comuns em pastores que se utilizam desses recursos para gerar empatia e dar um valor emocional ao discurso.

Aos 0:06, Felipe realiza a expressão de nojo devido a contração do corrugador (músculo responsável pelo abaixamento das sobrancelhas), elevação do lábio superior e abaixamento dos cantos dos lábios.
Essa emoção aparece ao falar do sofrimento pelo qual passou.

Em 0:12 - 0:13, Felipe diz: "O juiz acaba de decretar que eu sou completamente inocente de tudo que me acusaram."
Existe um aumento no volume vocal juntamente com a afirmação de cabeça, na palavra "acaba", confirmando a ação do juiz de decretar sua inocência.
Ao dizer "completamente" Felipe faz um gesto de meia negação - a cabeça se movimenta do centro para a esquerda, logo após, retorna para o seu ponto inicial. De acordo com Desmond Morris, esse meio maneio de cabeça é chamado de "Head Twist" e indica negação.
Podemos concluir desse trecho que apesar dele ter sido inocentado, por algum motivo ele não se sente completamente inocente.
Contextualizando, algo pode ter acontecido que o fez não acreditar em sua completa inocência.

A partir de 0:17, Felipe diz: "Eu sei que existem muitas perguntas: Por que eu fui sequestrado. Mantido em cárcere privado. Por que tudo isso aconteceu. Mas, mesmo que eu esteja com 25 quilos a menos, eu só quero abraçar minha família... e poder sair na rua."
Ao afirmar que sabe que existem muitas perguntas, ele fecha os olhos e nega com a cabeça. Esse conjunto gestual, nesse contexto, indica incerteza.
Em sua face notamos a expressão de desprezo, pela contração unilateral do músculo do bucinador (foto acima)

Agora vamos para dois momentos interessantes.

Ao dizer a palavra "seQUEstrado", ele realiza um gesto ilustrador dominante, o que é congruente com sua intenção de ser assertivo; porém, enquanto realiza esse gesto notamos uma sutil elevação unilateral em seu ombro esquerdo. Esse gesto é chamado de "Shoulder Shrug" e indica incerteza de que realmente houve sequestro (vídeo acima)


No momento em que diz "mantido em cárcere privado" reparem que ele não completa o gesto, parando no meio do movimento. Essa quebra de fluidez do gesto é um indicativo de insegurança em suas palavras e/ou ideias. Essa insegurança faz com que o corpo "trave" o movimento. (A foto acima mostra o gesto sendo realizado até a metade no movimento completo)
O uso do "mas", de acordo com estudos de Statement Analysis, exclui a importância de todo o período verbal anterior a ela. Significa dizer que para ele, não é importante falar do suposto sequestro, cárcere privado; Felipe está mais interessado em dizer que está com 25 quilos. Essa frase, inclusive, indica um desejo de criar, gerar empatia nos interlocutores, mostrando todo o sofrimento pelo qual passou. O que confirma essa intenção é o fato dessa frase não ter lógica com o restante do discurso.
Ao afirmar que quer abraçar a família ele nega com a cabeça. Há incongruência. O verbal afirma e o não-verbal nega.

Ainda relacionado ao trecho acima, no momento em que Felipe expõe a vontade de sair na rua, ele eleva sutilmente o ombro direito. Esse gesto, conhecido como "Shoulder Shrug" indica, nesse contexto, uma falta de comprometimento emocional com o que está dizendo. (Deve-se observar o vídeo para captar o movimento).

A partir de 0:41, Felipe diz: "Vocês não precisam acreditar só na minha palavra"
O uso do verbo "precisar" indica uma necessidade do Pastor para que acreditem nele; e igualmente ele tem a necessidade de que acreditem na decisão judicial
Em um contexto de inocência X culpa, o agente deve mostrar dominância, e consequentemente assertividade. O verbo "precisar" mostra submissão e pouca assertividade, por significar uma necessidade, e não uma imposição.
Durante a verbalização da palavra "acreditar", Felipe eleva sutilmente o ombro esquerdo, de forma unilateral, demonstrando insegurança em suas palavras.

Em 0:48, ao dizer "inocente de tudo", Felipe exibe uma expressão falsa de tristeza.
Essa expressão é considerada falsa pela alta potência de arranque e pelas intensidades altas das contrações musculares.
Intensidade de arranque diz respeito da trajetória da formação da emoção na face. As expressões faciais tem um momento de formação (onset), o ápice (appex) e o seu declínio (offset). Aqui podemos ver que ela se forma de maneira muito rápida, sem respeitar essa trajetória.
Uma emoção verdadeira, geralmente tem intensidades A e B; aqui sua intensidade é mais alta
Sua intensão aqui é gerar empatia dos interlocutores.
A frase "inocente de tudo", de acordo com estudos de Statement Analysis indica uma omissão e fuga. Ele evita dizer do que ele é inocente

Em 0:50 vemos uma expressão, a princípio, de felicidade pela contração do músculo do zigomático maior, responsável pela elevação dos cantos da boca; e pela contração dos orbiculares dos olhos, responsável pela formação dos "pés de galinha". Porém existe uma forte assimetria facial, tendo uma contração maior no seu lado direito. Isso é característica de uma emoção falsa de felicidade.
Novamente, sua intenção aqui é gerar empatia


SUMÁRIO: O Pastor Felipe Heiderich demonstra nojo ao falar de sua acusação, havendo, nesse ponto, congruência.
Apesar dele se achar inocente, ele sabe que essa inocência não é completa.
Ele tem dúvidas se houve mesmo sequestro, e sabe que não houve cárcere privado, devido a insegurança mostrada nesse trecho.
No âmbito da Paralinguagem (estudo da voz - tonalidade, volume, fluência, etc.) e as emoções falsas demonstram intenção de gerar empatia com os interlocutores.
Sua impostação de voz e fluidez são congruentes com as realizadas por Pastores.